janeiro 19, 2009

Gado Novo , cocho velho !





Tem Corruptos, subservientes
Tem capachos, indolentes !
Mudança de que, com o que ?
Não tem ninguem pra fazer !
Nada mudou, Nada acresceu.
O que já disse intragável,
O que não era aceitável
O que tanto bradou em seus versos, é detestável !
Hoje é; óh eminência, sois elogiável !
Mudou a côr
Mas a dor não mudou. 
O que era pútrido e desprezável,
Hoje é percauso superável.
Mudou o gado,
Não mudou o cocho !
onho na conta deste povo frouxo.
E você nobre escriba,
Que grades logrou por dizer o que pensa.
Cata os trocados e, pede abença.
Envelheceu-lhe a coragem,
Enrugou e corcovinhou seus brios
Suas linhas medidas,
De falsa indignação
Deixa faltar, métrica à canção.
Sua revolta é estudada,
Pois se um dia foste uva,
Hoje esmagada e deglutida,
Pós horas mal digerida ,
Tornou-se o que mostra.
Virou simplesmente bosta !


janeiro 10, 2009

Projeto ROBALO


O Projeto Robalo, iniciativa focada na geração de renda para a comunidade pesqueira do baixo Paraíba, a área de abrangència compreeende as cidades de : Campos do Goytacazes, São João da Barra, São Fidélis, Itaocara, atendendo a necessidade de repovoamento das espécimes atingidas pelo derramamento do produto químico Endosulfan pela empresa Servatis,  
.Com suas diretrizes focadas na pesquisa e disseminação de conhecimento, o projeto, pertencente a Fundação SOS Acqua, que  buscará adquirir conhecimento  em prol do desenvolvimento sustentável, com geração de renda e preservação ambiental.
O Objetivo imediato é a decretação de moratória de Pesca por dois anos de toda e qualquer espécime do Rio Paraíba.
Implantação do Defeso do Robalo em conformidade com base técnica e em período coincidente aos já existentes no Estado da Bahia e do Espírito Santo.
Implementar a implantação do cultivo de epécimes nativas em  tanques-redes com o intuito de promover  geração de renda.
contribuir ainda para a realização de pesquisas científicas, por meio de parcerias com institutos e universidades. 




janeiro 07, 2009

Agradecido Ao meus

Temos pouco a pedir
Tanto a agradecer
Começo por nossa mãe
Que da luz nos fez nascer

Agradecendo ao criador
O Fazemos a criação
A maior delas, Natureza
Terra, ar, agua, fogo. E paixão

Desculpe o trocadilho
você sabe como é ?
Ficamos assim hilários
Das prosas com o povo do Imbé.

Agora o nque resta fazer
O carinho devolver.
Levar sem igual alento
pro corpo alimento
Fé para a alma
Paz e calma
luz intensa sem igual
Pro povo além Batatal  

Rincões com cheiro de vida
De vida verde parida
O caminho é um tormento
chegar até lá custa tempo
Mas quem prova do seu vento
Na Roça boa de terra rica
Te encanta no exato momento,
Apaixona, embobece e fica !

Lá no alto, toda serra
Tem um nome que é só dela
Babilônia, Aleluia,
Serra das Almas,
Mocotó, Sentinela

Em todas gente precisada
De trato, atenção, respeito
Nunca de prosa descarada
De coisa ruim, que não vale o feito

Se Deus agora manda chuva,
Se ela passa da medida
Só pode ser módi que,
lá em cima com toda força
faz a mata renascer
devolvendo com certeza
Pra este povo de lida sofrida
O sorriso , a esperança
a alegria, a Vida. 
 
O pouco que é nossa parte
Fizemos com brio, com amor
Sentimento puro e servil,
Com a beleza do irmão Elício:.
Com a força do Irmão Brasil:.

De Tudo que ao Gama agradecer
Nunca será o que tem de ser
Pois guiar nas curvas do Imbé,
É pra quem sabe, não pra quem quer(qué)
E isto ele fez feito " Tour"
Fortalecido e presente,
sempre alí a sua frente
A luz do Irmão Arthur:.

A Todo irmão que somou
Nesta hora de agruras
dedico os versos mal rimados
Que sejam por todo o sempre,
com a luz agraciado

Quem sabe com acordes certos
Até se torne canção
Sem intensão de soberba
Mera e pura inspiração  

Nesta grande caminhada
Na busca de alcançar,
Um tanto de sabedoria
Me encontrei com a certeza
De juntar num só lugar
aquilo que mais queria
União, força e beleza.  

Armando Barreto

Pranchão do Paraíba



Longe vão
Tardes de verão,
Sentados ás dúzias, vadiando
Vizinhos, amigos, folguedeando
Avós, filhos, netos e irmãos,

Gente, muita gente
Boa gente
Maioria meninada,
Por conta da prosa boa,
Nas esteiras de tabôa
Espalhadas na calçada,

Insistente o nordestão
Alisando as carinhas
Areiando as criancinhas
Corzinha de pimentão

Nas ruas ainda de areia
Ouvindo histórias de Mãezinha
Contadas com voz mansinha
Histórinhas de sereia

Tinha matreira risada
E a atenção da molecada
Com tais palavras prendia
Pro mar, ela dizia,
Que suave o Paraíba corria

Serpenteando e cortando
Muitas ilhas Rodeando
Pois nas pranchas vão levando
Devagar , sempre chegando

Carregando filhos e tráias
Seguiam de Campos pra praia
Fazendo o maior sururú
Pra Atafona ou Gargaú

O tal pranchão encantado
Foi tanto e tanto imaginado
De quantas formas seria,
e quais cores o tingia ?

Se mais um pouco cresci
Mais um tanto apaixonei
Pelo que hoje já vi
pelo muito que não sei

Quarenta anos passaram
Meus olhos adimiraram
As formas do tal pranchão
Mirando a fotografia
Descobri quais cores lhe havia
Doada minha imaginação


Armando Barreto

janeiro 02, 2009

Ibama alerta para o consumo dos caranguejos Uçá e Goiamum

Vitória (26/12/2008) - A Superintendência do Ibama no Espírito Santo informa que os períodos das andadas do Caranguejo Uçá já foram definidas para o ano que vem.  O Caranguejo Goiamum permanece em período de defeso até o dia 31 de março de 2009.

 

O primeiro período da andada vai acontecer entre os dias 10 e 16  de janeiro, o segundo período entre os dias 8 e 14 fevereiro, o terceiro período entre 9 a 15 de março e o último período entre os dias 8 a 14 de abril. Nestas semanas o comércio e a cata do caranguejo uçá vão estar proibidas.

 

Os períodos de andada são definidos para proteger a fase de reprodução da espécie. O Caranguejo Uçá é o mais comercializado e mais procurado pela população. Segundo o Núcleo de Educação Ambiental do Ibama, é fundamental que a época da andada seja respeitada para a sobrevivência da espécie nos  manguezais capixabas.

 

Durante a andada não haverá declaração de estoque pois não haverá permissão para o transporte dos crustáceos. Caso algum restaurante ou bar esteja comercializando o caranguejo neste período denuncie ao Ibama através do Sistema Linha Verde no número 0800 61 8080.

 

 

Cuidados na hora da compra do caranguejo

 

Mesmo após os períodos de defeso e andadas alguns cuidados devem ser sempre tomados pelo consumidor na hora da compra do crustáceo.  O tamanho mínimo da carapaça do Caranguejo Uçá para comércio é de seis centímetros  e do Goiamum de oito1 centímetros.

 

Caranguejos com a abdômen largo e estufado não devem ser comprados pois se tratam de fêmeas em período de reprodução, ou seja, “ovadas” . Também não se pode comercializar partes, como puãs,ou a carne desfiada do crustáceo.

 

A venda dos caranguejos deve ser sempre realizada sem a descaracterização do animal, ou seja, com ele inteiro, para que o tamanho mínimo da carapaça seja respeitado.

 

Existem diferenças visíveis entre as espécies de caranguejo. O Goiamum é azul, vive na parte mais alta do manguezal, e é maior do que o Uçá que possui o corpo amarelado e as pernas avermelhadas.

 

Luciana Carvalho

Ascom/Ibama/ES

Foto: Kátia Cristina - Cepnor/Pará

Imbé

Imbé
Vida da gente do Imbé

BUSCADOR WEB

Google

Tradutor On Line

Educativa FM 107.5







Campos terra dos Goytacazes