junho 04, 2013

Meio Ambiente protegido na Mata do Carvão em São Francisco de Itabapoana_RJ



ESTAÇÃO ECOLÓGICA ESTADUAL DE GUAXINDIBA 
(DECRETO Nº 32.576, DE 30/12/02)
http://www.inea.rj.gov.br/imagens/1X1_azulclaro.jpg
Criada através do decreto 32 576 de 30 de dezembro de 2002, em  conformidade com a Lei Federal 9.985, de julho de 2000, situa-se na porção Nordeste do Estado do Rio de Janeiro, no município de São Francisco de Itabapoana, sendo de posse e domínio público, e, tendo com objetivos a preservação da natureza e a realização de pesquisas cientificas, não sendo permitida a visitação pública, exceto quando com propósitos educacionais.
Suas terras e matas estão localizadas nos domínios da Fazenda São Pedro de Alcântara. É também conhecida no município, comunidades de entorno, e, nacionalmente, como Mata do Carvão, devido à grande quantidade de fornos de carvão que no seu interior existiam. Na década de 60 possuía mais de seis mil hectares de mata, na década de 80, já havia sido reduzida para aproximadamente três mil hectares. Possui vegetação nativa característica da Mata Atlântica, classificando-se com Floresta Estacional Semidecidual de terras baixas, sendo a cobertura vegetal mais expressiva e importante da região. 
Sua principal característica é ser o maior e último remanescente de topografia plana e de grande extensão, recebendo a denominação de mata sobre tabuleiro terciário, por situar-se em área de planície ou tabuleiro do bioma costeiro da região Nordeste Fluminense do Estado do Rio de Janeiro.
Apresenta pouca vegetação herbácea, ocorrência de espécies epífitas e espécies raras e típicas de mata de tabuleiro, como a Paratecoma, peroba e a existência de animais raros na região, com o diplópodo Rhinocricus padbergi (do mesmo gênero do gongolo), que só ocorre no local.  Na unidade, encontram-se exemplares arbóreos de madeira de alto valor econômico como a peroba, o araçá, braúnas e óleo vermelho.
Aspectos do clima e a alta densidade das espécies florísticas permitem classificar a mata do Carvão como sendo uma formação estacional semidecidual. O baixo índice pluviométrico anual na mata, unido a forte sazonalidade, com inverno seco, são alguns dos fatores considerados responsáveis pela maior ocorrência nesta mata de espécies decíduas.
Possui cerca de 3.260 (três mil duzentos e sessenta) hectares, e, após longos períodos de desmatamentos, houve uma alteração na mata que, atualmente, distribui-se por uma longa faixa com 1.200 hectares de vegetação com cerca de 5 km de comprimento por aproximadamente 2 km de largura, bem próxima à orla marinha da praia de Guaxindiba. Boa parte da floresta localiza-se em Área de Preservação Permanente por ser cercada naturalmente por recursos hídricos onde se destaca a vegetação de taboa entre os brejos da Floresta e Cobiça.
É internacionalmente conhecida como patrimônio da humanidade pelo programa “Homem e Biosfera” da UNESCO, estando caracterizada como Zona Núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.

Brejo da Floresta


Brejo da Península

Brejo da Península
 
Pôr do sol na Estação Ecológica

Administradora: Vânia Coelho

Endereço (Atendimento)Rua Visconde de Inhaúma, 102, Campos
T el: (22) 2731-5567/ 2731-5928 e (21) 8596-9188.

Fonte: Site do INEA

                                                                             

Imbé

Imbé
Vida da gente do Imbé

BUSCADOR WEB

Google

Tradutor On Line

Educativa FM 107.5







Campos terra dos Goytacazes